DNA na Perícia Criminal

A identificação de cadáveres e restos humanos faz-se necessária após guerras, distúrbios sócio-políticos e desastres de massa. Além desses casos, devido à dinâmica social das grandes metrópoles, existem crimes sexuais, vestígios de crimes, pessoas desaparecidas, cadáveres e restos humanos sem identificação são encontrados.

.

.

A análise do DNA é considerada a maior revolução científica na esfera forense desde o reconhecimento das impressões digitais como uma característica pessoal, para as técnicas de identificação humana e apresenta duas grandes vantagens: a estabilidade química do DNA, mesmo após longo período de tempo, e a sua ocorrência em todas as células nucleadas do organismo humano, o que permite condenar ou absolver um suspeito com uma única gota de sangue ou através de um único fio de cabelo encontrado na cena do crime.

.

.

No entanto, a técnica é utilizada em última fase de identificação, quando a identificação por dactiloscopia, medicina legal ou odontologia legal não obtiveram sucesso. Isso ocorre pelo fato de a identificação genética ser uma técnica mais onerosa e cujos resultados demoram mais tempo para serem concluídos.

.

.

As maiores aplicabilidades da análise de DNA na perícia criminal são:

Identificação de suspeitos em casos de violência sexual (estupros, atentado violento ao pudor, atos libidinosos)

Identificação de cadáveres carbonizados ou em decomposição

Identificação de corpos mutilados

Identificação de peças ósseas e órgãos humanos

Investigação de paternidade

Produção de perfis de material genético recuperado a partir de evidências de natureza biológica presentes em suportes diversos encontrados em locais de crimes (manchas de sangue, manchas de esperma, manchas de saliva, pêlos e outros)

A técnica consiste na captura de material de natureza biológica, seguida de extração de DNA, amplificação dos achados por PCR. Posteriormente os produtos da mesma são detectados por eletroforese capilar num sequenciador automático.

Fontes:

Laborgene, 2019 – A identificação genética – Reação em cadeira da polimerase na análise forense e períci


0 visualização

©2019 por Eu Perito. Orgulhosamente criado com Wix.com